17 de out de 2012

Do que Ainda não Tem Nome
 
 
Ligar esses abismos cegos, surdos, absurdos...
Preencher crateras.
Derrubar montanhas com os braços,
Os outeiros, desmanchar nos dedos
Engolir todo esse deserto.
Depois, repousar tecida
e conspirar!