7 de jan de 2012

                                 

                                             Papillon

                              Dança a alegria com a mesma ginga que joga com a tristeza.
                              Sabe que a felicidade não é crônica

                              Graceja e os olhos brilham!
                              Encanta com a magnífica retórica

                              Tem nas mãos o desatino e sonha...
                              Faz emulação e provoca despeito a quem prega a normalidade

                              Seria mentira se, em meio a prédios e carros,
                              ruas e cabeças vazias, ela não viesse.

                              E ela veio, porque sempre vem: sutil, porém, certeira.
                              Convidei pra voar e, destemida, aceitou.

                                                                Voamos.

Para Vanessa Bastos

Nenhum comentário: