9 de abr de 2010


Clarice Lispector em excerto de Água Viva By Denise























" Algo está sempre por acontecer.
O imprevisto improvisado e fatal me fascina.
Já entrei contigo em comunicação tão forte que deixei de existir sendo.
Você tornou-se um eu.
É tão difícil falar e dizer coisas que não podem ser ditas.
É tão silencioso.
Como traduzir o silêncio do encontro real entre nós dois?
Dificílimo contar: olhei para você fixamente por uns instantes.
Tais momentos são o meu segredo.
Houve o que se chama de comunhão perfeita.
Eu chamo isto de estado agudo de felicidade."

Um comentário:

Beta disse...

Retorno ao seu blog, coincidência boa encontrar Clarice em mais um post. E em mais um livro recentemente lido: Água Viva, condensação de seus segredos, do tom misterioso e inquieto de sua escrita. Há sempre o acontecer de algo que pode ser imenso pela força de cada sentir. Certos estados psíquicos promovidos pelos vários tipos de comunhão que se pode estabelecer com algo ou alguém são perfeitamente traduzidos por ela quando diz: "deixei de existir sendo. você tornou-se um eu". Silêncios, agudas felicidades, fascínios, instantes... Intensidades que ela traduz tão bem.
Beijinho,